domingo, 1 de novembro de 2015

Polícia: Foragido há dois anos por matar companheira, mestre de obra é preso na zona rural de Goiana

Policiais Militares da 3ª Companhia prenderam, na madrugada deste domingo (01), um foragido da justiça na zona rural de Goiana, na Mata Norte de Pernambuco. O mestre de obras Paulo Rodrigues de Araújo, o "Paulo da Barra", de 44 anos, foi preso no Bar do Cacau, no Sítio Gambá, em cumprimento de mandado de prisão, expedido pela Vara Criminal da Comarca de Goiana. Ele é acusado de ter matado sua companheira no dia 07/10/2013. O corpo da vítima só foi encontrado seis dias depois, na zona rural da cidade, já em estado de putrefação. A prisão do foragido foi realizado por Policiais Militares da 3ª Companhia (GT's de Ponta de Pedras e Tejucupado, durante Operação Risco Zero).

No dia 07 de outubro de 2013, após às 22h30, dentro da mata da Reserva Ecológica Aparauá, no distrito de Povoação de São Lourenço, em Goiana, o acusado Paulo Rodrigues matou a sua companheira Ana Cláudia de Santana Marcelino, de 23 anos, conforme matéria divulgada pelo Blog na época do crime (CLIQUE AQUI). No dia do fato, o acusado e a vítima foram a uma seresta que acontecia no Bar do Juca, porém, durante a festa houve uma discussão entre o casal. Testemunhas alegam que no dia do desaparecimento da vítima, enquanto o denunciado a esperava para irem juntos à seresta, ele ainda falou para uma das irmãs de Ana Cláudia: "O caminho de tua irmã para o cemitério está perto!". Devido ao estado em que encontrava-se o corpo, os familiares só reconheceram a vítima pelas roupas que utilizava.

Mulher desaparecida é encontrada morta em Goiana

Acusado de matar mulher em Goiana continua foragido

Paulo foi conduzido para o plantão da Delegacia de Nazaré da Mata, onde foi recolhido para o presídio e permanecerá à disposição da justiça.

1 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-