domingo, 19 de julho de 2015

Política: Mendonça Filho, líder do DEM, diz que o PT não vai se livrar do lamaçal no qual se meteu

O líder do Democratas, deputado federal por Pernambuco, Mendonça Filho, afirmou que não adianta o PT querer aproveitar esse momento para se livrar do lamaçal no qual se meteu. "O escândalo do mensalão, as denúncias de crime eleitoral e as pedaladas fiscais estão sendo acompanhadas pela Polícia Federal, o Ministério Público, o Tribunal Superior Eleitoral e o Tribunal de Contas da União. Não dá pra o PT ignorar isso", afirmou, ao defender a criação das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e dos Fundos de Pensão.

O parlamentar questiona a tese do Governo Dilma de que a criação das CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão são de interesse apenas do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. "Essa agenda interessa ao País. Os brasileiros querem saber os desmandos da gestão Dilma/PT, também, no BNDES e nos fundos de pensão", justifica.

As CPIs do BNDES e dos fundos de pensão terão apoio da oposição, que quer investigar os empréstimos camaradas a países como Venezuela e Cuba, que recebeu recursos do BNDES para a construção do Porto de Mariel, e a empresários amigos do PT. E, também, os rombos nos fundos de pensão como Previ, do Banco do Brasil, e Postalis, dos Correios, que vem prejudicando os aposentados com corte nas aposentarias.

Mendonça Filho garante que a a oposição não vai se intimidar com a estratégia do Governo de colocar o Congresso em xeque. "O povo sabe que a origem de tudo está nos desmandos do PT, que  levaram a uma das maiores crises econômica, ética, politica e, agora, institucional", afirma, destacando que continuará cobrando esclarecimentos, apoiando as investigações e a punição dos culpados.

Assessoria

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-