domingo, 29 de março de 2015

Economia: Da taipa ao touchscreen

O chefe que veio do mangue - Adriano Damázio, que até 2013 trabalhava como catador de caranguejo no mangue e morava em uma casa de taipa que ele mesmo ergueu (à esquerda), hoje coordena uma equipe de oito operários na fábrica da Jeep em Goiana

Adriano Damázio passou quinze dos seus 29 anos catando guaiamum no mangue. Até junho de 2013, ele acordava todo dia às 3 da manhã, caminhava até o manguezal perto de sua casa - uma construção de taipa que ele mesmo ergueu em Igarassu, a 30 quilômetros do Recife - e lá trabalhava até as 4 da tarde, a lama batendo na altura do peito enquanto as mãos hábeis capturavam os famosos caranguejos azulados da região. Assim, vendendo caranguejos aos restaurantes e bares, Damázio conseguia juntar por mês os 120 reais que sustentavam a ele e à mulher, Tathiany, de 23. Transformado em operário de fábrica, Damázio coordena hoje uma equipe de oito pessoas, ganha quinze vezes mais do que antes e mora numa casa de alvenaria. Para isso, não precisou viajar quilômetros em um pau de arara como fizeram, até a década de 70, milhões de nordestinos que foram tentar a vida nas indústrias no Sudeste. Para o ex-catador de caranguejo, a mudança aconteceu na paisagem familiar dos canaviais que dominam a Zona da Mata pernambucana.

Se a história de Damázio dá a impressão de seguir na contramão da crise que eleva os números do desemprego e achata os índices de qualidade de vida, o fato que deu origem a ela, pelo mesmo motivo, surpreende mais ainda. A fábrica da Jeep em que Damázio trabalha, localizada na cidade de Goiana, na Zona da Mata norte-pernambucana, é um manancial de água fresca em meio à aridez das previsões econômicas. Prestes a ser oficialmente inaugurada, ela é uma aposta de 7 bilhões de reais da FCA (Fiat Chrysler), o maior investimento no setor automotivo no Brasil na última década - a mais recente fábrica aberta no país, em outubro de 2014, foi a da BMW em Araquari, em Santa Catarina, na qual foram aplicados 600 milhões de reais; a da Land Rover, que será erguida em Itatiaia, no Rio, está orçada em 1 bilhão de reais.

É claro que, quando a FCA decidiu investir no negócio, em 2010, a situação do Brasil era bem diferente da atual. O país experimentava um crescimento de 7,6% ao ano e os representantes do setor automotivo riam sozinhos: nunca se havia vendido tanto carro aqui quanto naquele ano, segundo a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). De lá para cá, o cenário mudou. Especialistas preveem uma queda de até 10% nas vendas deste ano. Nem por isso, no entanto, a FCA adiou os planos para Goiana ou diminuiu a velocidade do investimento. "O mercado automotivo já teve altos e baixos", diz Stefan Ketter, vi­ce-presidente mundial de manufaturas da FCA. "Trabalhamos sempre a médio e longo prazo." Projeções revelam que a persistência será premiada. Um estudo de outubro do ano passado feito pela Anfavea prevê que o mercado automotivo brasileiro, o quarto maior do mundo, dobrará de tamanho nos próximos vinte anos. E, mesmo a curto prazo, po­de-se dizer que as notícias não são tão ruins assim. O primeiro carro a sair das linhas de montagem da nova fábrica, o Jeep Renegade, já tem 25 000 interessados.

A fábrica da FCA será inaugurada oficialmente em abril, mas está em operação desde outubro do ano passado, com 3 700 empregados. A meta é chegar a 10 000 até o início do ano que vem. Não será uma tarefa fácil. Fábricas instaladas em polos automotivos tradicionais, como Betim (MG) ou São Bernardo do Campo (SP), contam em seu entorno com farta mão de obra especializada. Já em Goiana e arredores tudo o que se tem são lavradores - a economia local depende basicamente da cana-de-açúcar. As dificuldades de transformar lavradores em metalúrgicos começam por localizar os candidatos. Diante das limitações de comunicação impostas pelo ambiente rural, a FCA teve de resgatar algumas práticas há muito em desuso nas suas 177 fábricas no mundo. Anúncios pelo rádio e carros de som que percorrem as ruas da região à cata de quem queira trabalhar foram alguns dos recursos que substituíram a seleção de currículos e as apresentações pela internet. Para receber os candidatos, a FCA pediu emprestados das prefeituras das cidades próximas de Goiana pátios de colégios e salas de postos de saúde, onde funcionários do grupo entrevistam os interessados.

A partir de abril, o treinamento para os selecionados vai incluir um curso de tecnologia touchscreen - algo que, na cidade, crianças de 4 anos dominam instintivamente, mas que ainda assusta quem nunca pegou um smart­phone na mão. O controle touchscreen é usado em todas as linhas de montagem da fábrica de Goiana, a mais moderna do grupo FCA em todo o mundo e a única em que, por exemplo, a programação dos robôs permite que cada linha de montagem seja capaz de produzir até quatro modelos de automóvel (em outras unidades, a produção é de um único tipo de carro por linha).

No início, quase todos os 100 engenheiros da fábrica vieram do exterior - da Itália ou dos Estados Unidos. Mas a unidade começa a formar uma pequena elite de especialistas locais. Vinte alunos de cursos de engenharia em Pernambuco foram contratados depois de passar uma temporada no Instituto Politécnico de Turim. Outros dez devem seguir a mesma trilha em agosto. Três universidades já firmaram convênios para cursos ligados à área. A Universidade Federal de Pernambuco terá uma pós-graduação em engenharia automotiva; a Federal da Paraíba, em eficiência energética e logística; e a de Campina Grande, em eletroeletrônica. A FCA vai montar um escritório no Recife para unir os talentos desses três polos. "Seremos o Vale do Silício do setor automotivo", afirma o diretor de recursos humanos da fábrica, Adauto Duarte.

Pode soar exagerado, mas já houve casos que chegaram perto disso. A experiência da cidade fluminense de Porto Real é um exemplo. Até o fim da década de 90, Porto Real vivia da agricultura, tinha bois pastando pelas ruas e era mais conhecida por ter sediado a primeira colônia italiana no Brasil. Em 2001, a PSA Peugeot Citroën instalou ali uma fábrica de 500 milhões de dólares, o equivalente hoje a 1,6 bilhão de reais - cerca de um quarto do dinheiro colocado pela FCA na Zona da Mata pernambucana. Catorze anos depois, já foram para lá mais de quarenta grandes empresas do setor automotivo. A arrecadação de impostos cresceu formidavelmente e permitiu enormes avanços, sobretudo na área da educação - hoje, Porto Real é o município com o maior gasto por estudante do Rio de Janeiro, 11 300 reais por aluno a cada ano. Que esse seja também o destino de Goiana.

Veja

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-