terça-feira, 21 de março de 2017

Após protestos: MPPE, Poder Judiciário, Defensoria Pública e PM se reúnem para debater aumento da violência em Itambé

Em virtude da realização de protesto da população de Itambé, que denunciou o aumento da criminalidade na região, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) participou de reunião, na tarde desta segunda-feira (20) com o comandante e o subcomandante do destacamento da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) no município. Também estiveram presentes à reunião o juiz de Direito da Comarca, Ícaro Nobre Fonseca, e as defensoras públicas Amanda Batista e Tuany Filgueiras. Ao término da reunião, os presentes concordaram em redigir um relatório situacional conjunto detalhando os prejuízos causados à população (suspensão das aulas na rede municipal de ensino, fechamento do comércio local) pela insuficiência no policiamento em Itambé.

Leia também:
Vídeo mostra PM atirando em manifestante que pedia por segurança

De acordo com a promotora de Justiça Fabiana M. R. de Lima, o assunto já havia sido abordado pelas instituições que integram o sistema de Justiça, mas o comandante do destacamento policial afirmou que, apesar de reiterar os pedidos de reforço do efetivo, não foi possível aumentar o número de policiais.

Para fazer sua parte nas iniciativas de enfrentamento à insegurança em Itambé, a Promotoria de Justiça local já notificou o gabinete do procurador-geral de Justiça, que se prontificou a prestar todo o apoio, inclusive com a designação de novo membro para atuar na Comarca de Itambé.

Quanto à ação dos policiais militares que resultou na lesão de um manifestante, divulgada nas redes sociais, o MPPE já recebeu as informações do inquérito policial aberto para apurar o caso e está acompanhando as diligências empreendidas pela Polícia Civil, bem como vai tomar novos depoimentos dos envolvidos. A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social instaurou procedimento administrativo e o comando da Polícia Militar de Pernambuco instaurou inquérito civil militar para analisar o ocorrido.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-