quarta-feira, 26 de junho de 2019

Goiana: Polícia desarticula três quadrilhas que disputavam comando do tráfico de drogas

Dos 27 mandados de prisão expedidos, 25 foram cumpridos em três operações deflagradas nesta quarta (19). Grupos estão envolvidos em homicídios e tráfico de drogas, diz delegado.

Três operações da Polícia Civil foram deflagradas na madrugada desta quarta-feira (19) em Goiana, no Grande Recife, para desarticular três quadrilhas que disputavam o comando do tráfico de drogas na cidade. Dos 27 mandados de prisão expedidos, 25 foram cumpridos, além de 18 mandados de busca e apreensão.

As quadrilhas desarticuladas estão envolvidas em homicídios, tráfico de drogas e associação criminosa, segundo o delegado Jean Rockfeller, que investiga o caso desde novembro de 2018. Dos mandados de prisão cumpridos, 13 alvos já estavam presos. Das 14 pessoas que estavam em liberdade, duas não foram encontradas pela polícia.
Além disso, drogas como maconha e crack foram apreendidas, mas a quantidade não foi divulgada pela Polícia Civil. Ao todo, 70 policiais, entre escrivães, agentes e delegados participaram das operações.

“A conclusão das operações Catedral, Porta Clausa e Insquisitio, garante mais segurança para as cidades de Condado, Aliança, Itambé e outros municípios da região. A disputa pelo comando do tráfico de drogas foi desarticulada”, afirma o delegado.

Entre os presos, está Francinildo Trajano de Lima, considerado o alvo mais perigoso, segundo o delegado. “Ele é conhecido como ‘Francis’ e era o líder da quadrilha presa na Operação Catedral. Investigamos que ele tenha cometido seis homicídios em Goiana e arredores”, declara.

Os presos foram encaminhados para a sede do Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri), em Afogados, na Zona Oeste do Recife. De acordo com Polícia Civil, a divulgação de outros detalhes sobre as três operações ocorre em uma coletiva de imprensa na quinta-feira (20).

G1





































































 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-