sábado, 21 de janeiro de 2017

Criminalidade: Diálogo surreal ilustra falta de segurança em Pernambuco

O caso aconteceu no último final de semana, na Praia de Barra de Catuama, no município de Goiana, Mata Norte. Carlos (nome fictício) tem uma casa de veraneio e curtia o sábado com a família, quando seu vizinho apareceu, desesperado, batendo à porta.

Acabara de ser assaltado por dois homens numa moto. Portavam uma espingarda calibre 12. Entraram na casa e fizeram o “rapa”: dinheiro, carteiras, celulares. Não houve violência física. “Mas ele se tremia todo”, diz Carlos, que resolveu ligar para o 190.

– Alô, 190?
– Sim…
– Tem dois caras de moto assaltando aqui em Catuama. Eles estão armados com uma “doze”… – Catuama? Você ligou para o 190 do Recife.
– Mas não posso pedir ajuda por aqui?
– Não. Você tem que ligar para a unidade da PM na área.

Carlos respirou fundo. Ainda tentava acalmar o vizinho. “Não é possível que a gente não possa pedir ajuda pelo número em que se deve pedir”, reclamou. Voltou à atendente do 190 Recife.

– Ok. Você tem o número da unidade da PM em Barra de Catuama?
– Não
– Como não? E como eu vou pedir ajuda? Os caras estão por aí!
– Não temos, infelizmente.

Indignado, Carlos desligou o telefone. Não havia nada a ser feito. Estavam, ele, o vizinho, as respectivas famílias e todas as outras pessoas da praia, à mercê dos motoqueiros da 12.

Jornal do Commercio

0 Comentários:

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-