quarta-feira, 20 de abril de 2016

Cultura: Espaço Cultural Bodega da Yá envolve comunidade da periferia em ações para o bem comum

Na Comunidade da Portelinha, em Goiana, é assim: se chega alguém perguntando onde é o Terreiro de Mãe Nininha (Ilê Axé Oyá Oníra), logo aparece uma das crianças da comunidade para mostrar o caminho, levar o visitante ao espaço onde acontecem, já há mais de 12 anos, atividades culturais e religiosas conhecidas pelos que moram na localidade. Como já é tradição no espaço, no último sábado do mês acontece a Sambada da Yá com a coquista e Yalorixá Mãe Nininha e convidados. A do dia 30 de abril promete ser especial com a realização da Mostra de Resultados do Projeto Comunicando Negritude, a partir das 19h e totalmente aberto ao público.

Além do tradicional coco comandado por Dona Nininha - com as participações do Coco de Sinhá (Condado) e de Dona Zeca do Coco (Limoeiro) - a Mostra de Resultados vai contar com sessão de filmes realizada pelo IAPÔI, Cineclube de Goiana; apresentação de ritmos afros da Oficina de Ritmos com crianças da comunidade da Portelinha; e, ao longo da festa, o público ainda vai poder conferir em alguns espaços do centro de cultura, materiais em áudio resultado das experiências de jovens comunicadores de Goiana com comunicação comunitária.

Para o Coordenador Geral do Projeto Comunicando Negritude, Philippe Wollney “o mote para esse projeto foi aprofundar algumas atividades anteriormente realizadas que tiveram o reconhecimento e valorização da comunidade envolvida, como a Oficina de Ritmos Afro-Brasileiros, o apoio para a ações do IAPÔI Cineclube; e fortalecer e estimular o intercâmbio de grupos de cultura popular na festa do Coco da Yá”. Leandro Silva, foi o percussionista que ficou à frente da Oficina de Ritmos do Projeto. A proposta foi trabalhar o reconhecimento, valoração, fortalecimento e respeito das manifestações ligadas às culturas afro-brasileiras e populares. Para Nice Lima, radialista e Professora de Cursos de Comunicação, a experiência radiofônica em contextos populares é sempre enriquecedora e oportuniza a geração de capacidades dentro das próprias comunidades no sentido de produzirem a própria comunicação, a que mais representa as pessoas que fazem parte do local. “Foi um grande desafio trabalhar com comunicação comunitária e esperamos ter plantado uma semente para, quem sabe, no futuro, os próprios moradores da Portelinha despertem para iniciativas de comunicação  que divulguem suas demandas, em que eles se vejam representados”, destaca a radialista que facilitou a oficina de rádio do Projeto.

Sobre a Comunidade da Portelinha, sua população e a Yalorixá Mãe Nininha – grande parte da população dessa localidade da periferia de Goiana  tem acesso a bens culturais graças a ações que são desenvolvidas no Espaço Cultural Bodega da Yá. É a possibilidade que têm de se afastarem de situações de criminalidade e violência. “Essas crianças e adolescentes vivem em áreas com grande índice de violência doméstica, exploração do trabalho infantil, além não haver nenhum equipamento oficial de práticas de cultura ou entretenimento como quadras esportivas, centros culturais, cinema, teatro, biblioteca, livraria, etc. Acredito que o projeto é uma centelha de esperança para a comunidade em relação à possibilidade de enriquecimento cultural a partir da valorização e redimensionamento simbólico da própria cultura e do espaço que habitam”, afirma Philippe Wollney.

HISTÓRIA – O Espaço Cultural Bodega da Yá reúne o Terreiro Ilê Axé Oyá Oníra (casa do sagrado) mais a Bodega da Yá (espaço para a festa, onde é realizado o Coco da Yá). A Yalorixá e Mestra Coquista Zenilsa Cavalcanti do Nascimento, popularmente conhecida como Dona Nininha, desde 1981 realiza sambadas de coco em homenagem a seu mestre espiritual Zé Filintra. Os eventos, realizados sazonalmente, durante alguns toques de jurema no Ilê Axé Oyá Oníra sempre atraíram brincantes de coco e demais pessoas da comunidade em geral, até ganhar visibilidade em comunidades circunvizinhas. Há cerca de 12 anos, Dona Nininha e seus parceiros e filhos passaram a realizar, na Portelinha, Sambadas do Coco da Yá, nome com o qual ela batizou seu grupo de coco. As sambadas são celebrações consolidadas no calendário cultural do bairro da Portelinha, comunidade onde se encontram cerca de 85% das tradições e brincadeiras populares da cidade de Goiana, atraindo pessoas não só das comunidades mais próximas, como também de cidades vizinhas.

Serviço:
Mostra de Resultados do Projeto Comunicando Negritude
Quando: Sábado, 30 de abril
Hora: 19h
Local: Espaço Cultural Bodega da Yá, (Terreiro Ilê Axé Oyá Oníra), Portelinha, Nova Goiana, Goiana-PE
Aberto ao público
Informações: facebook.com/EspacoDaYa
Assessoria

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-