segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Economia: A riqueza produzida em Pernambuco está concentrada em 17 municípios. Goiana é uma delas

A informação faz parte do comportamento do PIB municipal de Pernambuco em 2013 divulgada na última sexta-feira (18/12)

A concentração na produção de riqueza continua grande nas cidades pernambucanas. Cerca de 80% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado é gerado em 17 dos 184 municípios existentes em Pernambuco. Os 10 que apresentam a maior geração de riqueza no Estado produzem 69,05% de todo o PIB estadual. Esse seleto grupo inclui três cidades que não pertencem à Região Metropolitana do Recife: Caruaru (no Agreste), Petrolina (no Sertão do São Francisco) e Vitória de Santo Antão na Zona da Mata.

Somados a esse grupo, a riqueza gerada em mais sete municípios (Garanhuns, Goiana, Belo Jardim, Santa Cruz do Capibaribe, Serra Talhada, Carpina e Gravatá) chega-se ao cerca 80% do PIB estadual. Ou seja, grande parte das cidades pernambucanas tem uma produção insignificante de riqueza, como mostrou os dados divulgados ontem pela Agência Condepe/Fidem com o comportamento do PIB municipal de Pernambuco em 2013. 

Somente 20 cidades pernambucanas não têm na Atividade Pública a sua principal atividade econômica. Ou seja, grande parte dos municípios do Estado sobrevive da movimentação gerada em torno do poder público. “O problema é que a administração pública não é indutora de outras atividades, como ocorre por exemplo com a indústria de transformação”, conta o consultor da Agência Condepe/Fidem, Wilson Grimaldi.

“A concentração da riqueza está diminuindo em Pernambuco, mas quem vai crescer, num primeiro momento, são os outros municípios da RMR. Primeiro, foi o Litoral Sul, o que incluiu Suape. Depois, a outra expansão ocorreu no Litoral Norte (Goiana, Itapissuma e Igarassu). E a atividade econômica está começando a se expandir para o restante do Estado”, explica o diretor executivo de Estudos, Pesquisas e Estatística da Agência Condepe/Fidem, Maurílio Lima. Ele cita como exemplos as cidades de Glória do Goitá e do Recife. A primeira registrou um acréscimo de 62,7% na variação nominal do PIB, que saiu de R$ 17 milhões em 2012 para 27 milhões em 2013 impulsionada pela instalação de uma fábrica de massas.

Já o Recife perdeu participação no PIB estadual, saindo de uma participação de 33,19% em 2012 – quando tinha um PIB de R$ 42,4 bilhões – para 33,00% no ano seguinte, quando a soma das riquezas geradas na capital ficou em R$ 46,4 bilhões. “Essa queda na participação do Recife no PIB do Estado ocorreu porque outros municípios cresceram”, explica Maurílio.

Jaboatão e Cabo se destacaram no aumento da participação da economia pernambucana, saindo, respectivamente, de de 8,17% e 4,94% para 8,49% e 5,23%. Nos dados de 2013, Jaboatão apresentou o maior ganho de participação no PIB do Estado com um crescimento de 0,32% pontos percentuais.

Jaboatão passou a ser o segundo maior PIB, perdendo apenas para o do Recife. “Foi apenas uma questão de metodologia. Jaboatão passou na frente de Ipojuca que ocupava o segundo lugar no ranking dos maiores PIBs na metodologia antiga”, explica Wilson Grimaldi. A atualização na forma do cálculo é realizada para atender as recomendações do sistema internacional de contas da Organização das Nações Unidas (ONU).

Os municípios que mais perderam participação no PIB do Estado em 2013 foram Petrolândia (-0,50), São Lourenço da Mata (-0,23), Salgueiro (-0,21), Recife (-0,19) e Joaquim Nabuco (-0,06). Todas as perdas estão em pontos percentuais. Segundo informações da Condepe/Fidem, as perdas de Petrolândia foram relacionadas à diminuição de repasse de recursos da Chesf; a de São Lourenço reflete o fim da construção da Arena da Copa; a de Salgueiro a paralisação das obras da Ferrovia Transnordestina e da transposição e a de Joaquim Nabuco, a paralisação da Usina Pumaty principal indústria daquele município.

NE10

1 Comentários:

demostenes disse...

É estranho esses dados, haja visto Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho juntos tem o PIB maior que João pessoa. Somente Ipojuca, seu Produto Interno Bruto é quase igual a da capital Aracaju. E igarassu, aqui pertinho, 1.914.975-IBGE(2013), maior que o de Goiana, né. Apesar de todos esses investimentos. Matéria cheia de incoerência, ao meu ver.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-