quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Descaso: Policiais Militares da antiga Ciosac, atual BEPI, estão com diárias atrasadas

Policiais do Batalhão Especial em Policiamento no Interior, BEPI, antiga CIOSAC reclamam do atraso de 2 meses nas diárias operacionais. Informações que chegam ao blog, dão conta de que no mês de setembro houve uma brusca queda na produção da CIOSAC, provocada pelo desânimo da tropa. Já no início de outubro com o pagamento dos meses de julho e agosto a Companhia voltou a normalidade nos resultados operacionais, contudo, após isso os atrasos retornaram.

Numa escala de 8×8 dias em locais distantes de suas residências, em média 200 km, com um gasto diário com café, almoço e janta, já houve caso de policiais se cotizarem para pagar alimentação daqueles mais “apertados”, outros inclusive, com energia elétrica cortada. Desde o início da criação da CIOSAC, 17 anos atrás, o efetivo vinha recebendo as diárias (alimentação e pousada) de forma contínua, inclusive descriminados em contracheques até janeiro de 2014. Depois que saíram dos contracheques e passaram a serem pagas até o dia 18 de cada mês, o orçamento ficou descontrolado.

Com a transformação da Companhia “CIOSAC” em Batalhão Especial em Policiamento no Interior, o BEPI contou com mais duas companhias, a primeira sediada em Custódia, a 2ªCPM em Toritama e a 3ª Companhia em Palmares. O efetivo foi acrescido em 320 homens, totalizando aproximadamente 530 policiais.

“A tropa CIOSAC considerada a "fiel" ao governo que sempre cumpriu com seu papel para qual foi criada: Combater a criminalidade no Interior do estado, prestando apoio aos batalhões de área, intensificar o combate ao tráfico de drogas, combate em assaltos, a carro fortes, bancos etc, querem do governo do Estado uma maior atenção”, afirmou um dos policiais prejudicados com o descaso sofrido.

Fonte: Jornalobinoculo

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-