sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Política: 8% aprovam e 71% reprovam governo Dilma, diz Datafolha

Segundo pesquisa, reprovação da petista subiu seis pontos percentuais. Instituto ouviu 3.358 pessoas em 201 municípios nos dias 4 e 5 de agosto.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (6) pelo site do jornal "Folha de S.Paulo" indica os seguintes percentuais sobre como os eleitores avaliam o governo da presidente Dilma Rousseff (PT):
- Ótimo/bom: 8%
- Regular: 20%
- Ruim/péssimo: 71%
- Não sabe: 1%

Segundo a "Folha", no histórico de pesquisas nacionais de avaliação presidencial do Datafolha, a atual taxa de reprovação da presidente da República (71%) é a pior da história da pesquisa, superando os 68% de "ruim" e "péssimo" registrados pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello em setembro de 1992.

No levantamento anterior, de 20 de junho, o Datafolha indicou os seguintes percentuais sobre como os eleitores avaliam o governo Dilma: Ótimo/bom: 10%; Regular: 24%; Ruim/péssimo: 65%; e Não sabe: 1%.

O levantamento foi realizado pelo Datafolha com 3.358 pessoas de 201 municípios do país entre os dias 4 e 5 de agosto. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Por região
Considerando as regiões do país, os resultados da pesquisa foram:

- Sudeste:
-- Ótimo/bom: 7%
-- Regular: 19%
-- Ruim/péssimo: 73%
-- Não sabe: 1%

- Sul:
-- Ótimo/bom: 7%
-- Regular: 20%
-- Ruim/péssimo: 73%
-- Não sabe: 1%

- Nordeste:
-- Ótimo/bom: 10%
-- Regular: 22%
-- Ruim/péssimo: 66%
-- Não sabe: 2%

- Centro-Oeste:
-- Ótimo/bom: 6%
-- Regular: 15%
-- Ruim/péssimo: 77%
-- Não sabe: 1%

- Norte:
-- Ótimo/bom: 9%
-- Regular: 24%
-- Ruim/péssimo: 65%
-- Não sabe: 2%

Por renda
Considerando a renda em salários mínimos, os resultados da pesquisa foram:

- Até 2 SM:
-- Ótimo/bom: 10%
-- Regular: 20%
-- Ruim/péssimo: 69%
-- Não sabe: 1%

- De 2 a 5 SM:
-- Ótimo/bom: 7%
-- Regular: 20%
-- Ruim/péssimo: 73%
-- Não sabe: 1%

- De 5 a 10 SM:
-- Ótimo/bom: 8%
-- Regular: 17%
-- Ruim/péssimo: 74%
-- Não sabe: 0%
- Mais de 10 SM:
-- Ótimo/bom: 6%
-- Regular: 19%
-- Ruim/péssimo: 75%
-- Não sabe: 0%

*Observação: a soma dos valores pode não ser 100% devido a arredondamentos.

Piores momentos
A pesquisa Datafolha mostrou quais foram os piores momentos de cada presidente. O de Collor, atual senador pelo PTB-AL, foi em setembro de 1992, às vésperas do impeachment. Na época, 9% avaliavam o governo como bom e ótimo.

No caso de Itamar Franco (PMDB), a pior avaliação (41% de ruim e péssimo) ocorreu em novembro de 1993, com o escândalo dos "anões do Orçamento" na Câmara. Ele tinha a aprovação de 12% dos entrevistados.

Fernando Henrique Cardoso (PSDB) teve a maior reprovação em setembro de 1999 – 56% o achavam ruim e péssimo e 13%, bom e ótimo. Na ocasião, a população sentia os efeitos da desvalorização do real.

Para Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o momento mais difícil ocorreu em dezembro de 2005, após a cassação de José Dirceu (PT), então deputado, por envolvimento no mensalão. 29% dos entrevistados achavam o governo ruim e péssimo e 28% avaliavam como bom e ótimo.

Impeachment
Segundo o levantamento, 66% dos entrevistados disseram que o Congresso deveria abrir um processo de impeachment de Dilma Rousseff. 28% afirmaram ser contra e 5% responderam não saber.

No levantamento anterior (feito em 9 e 10 de abril deste ano), 63% se diziam a favor da abertura de processo e 33%, contra. 4% não sabiam.

Questionados se a presidente será afastada da Presidência, 53% responderam que não, 38% disseram que sim e 9% afirmaram não saber.

Na pesquisa anterior, 64% não acreditavam na saída de Dilma, 29% disseram que ela vai sair e 7%, que não sabiam.

Melhor sistema
O presidencialismo (em que quem manda no governo é o presidente) é o melhor sistema de governo para 53% dos entrevistados. Para 28%, o melhor é o parlamentarismo (no qual quem manda são os deputados do Congresso). 19% não souberam dizer.

G1

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-