quarta-feira, 25 de março de 2015

Fim do Brasil? Operários de Goiana acham que não

Reportagem especial de Paulo Emílio, editor do Pernambuco 247

Você, certamente, já ouviu falar na suposta "desindustrialização" do Brasil. É um dos motes mais usados por lideranças da oposição, a começar pelo senador José Serra (PSDB-SP), que utiliza essa expressão dia sim, dia não. No mercado financeiro, correntes mais catastrofistas, como da consultoria Empiricus, vendem até o "fim do Brasil", como se o País estivesse prestes a implodir.

Aos que só enxergam problemas, conviria conhecer a cidade pernambucana de Goiana, na Mata Norte, onde, a Fiat apresentou o jipe Renegade, que será produzido no local. Até poucos anos atrás, Goiana era um município visto como periférico, tipicamente uma cidade dormitório, onde a base da economia estava ligada ao setor sucroalcooleiro. Até então, a pequena cidade com cerca de 80 mil habitantes tinha como seu destino mais famoso o restaurante Buraco da Gia, especializado em frutos do mar e onde caranguejos adestrados servem bebida aos clientes.
Nos últimos dois anos, porém, a paisagem local mudou radicalmente. A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) escolheu a cidade para sediar seu mais moderno parque fabril em nível mundial, um investimento de cerca de R$ 7 bilhões. É dali, na Zona da Mata Norte pernambucana, que a montadora aposta em seu mais novo lançamento, o Jeep Renegade, para conquistar o mercado.

E enquanto a montadora atua nesta direção, trabalhadores, municípios e Estado comemoram o avanço na economia, apesar dos pregoeiros do catastrofismo afirmarem que o país caminha para o buraco.
A fábrica da Jeep, que deverá ser inaugurada oficialmente em abril, terá capacidade para produzir 250 mil veículos anualmente. Ao todo, deverão ser gerados cerca de 8 mil empregos diretos. A estimativa do governo do estado aponta que, em 2020, o PIB pernambucano terá uma participação de 6,5% decorrente do pólo automotivo de Goiana.

Considerando os sistemistas, como são chamados as empresas que fornecem materiais e equipamentos necessários à produção e que costumam acompanhar este tipo de investimento, a estimativa é que sejam gerados 47,5 mil novos postos de trabalho ao longo de toda a cadeia produtiva, considerando a implantação e a operação da unidade.

Essa geração de empregos terá um impacto significativo na massa salarial. Em 2010, este volume era de R$ 347 milhões e deverá saltar para R$ 2,3 bilhões em 2020, considerando apenas os três municípios mais impactados pelo projeto: Goiana, Igarassu e Itapissuma, segundo estimativas da consultoria Ceplan.

Nos outros sete municípios do entorno, a massa salarial cresce de R$ 452 milhões para R$ 663 milhões, num acréscimo de R$ 211 milhões. Levando-se em consideração todo o Estado de Pernambuco, o incremento na massa salarial deverá crescer até 10,2%.
Os investimentos no polo automotivo, contudo, poderão ser maiores quando levados em consideração a projeção dos impactos econômicos feita a partir do modelo de insumo-produto, com base nos investimentos e do valor da produção.

A previsão é que, até 2018, sejam investidos cerca de R$ 4,4 bilhões em edificações e obras e outros R$ 5,2 bilhões em máquinas e equipamentos, somando uma injeção de R$ 9,6 bilhões no polo automotivo como um todo.

Mas os investimentos não estão restritos somente a Pernambuco. A Jeep está investindo cerca de R$ 250 milhões na ampliação da sua rede nacional de revendas. O número de lojas da marca, que era de 45, passará para cerca de 120 unidades, gerando emprego e renda em diversos estados do país.

3 Comentários:

hernandes pereira disse...

Para os mais otimistas sim mas á médio prazo a recessão vai chegar. e isso é inevitável, as vendas irão cair e ai meu amigo quero ver qual a fabrica segura funcionários sem vendas.

jose mauricio da silva Mauricio disse...

Por cara seja mais otimista tenha fé em Deus me ajuda aí oh

Adelmo Santana disse...

acho que isso e uma tubulençia e goiana sera uma das cidade mais desenvolvida de pernambuco com a fiat e outra empresa que viraõ

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-