terça-feira, 21 de outubro de 2014

Na fábrica da FIAT: Em Goiana, Dilma diz que Arco Metropolitano aguarda liberação ambiental estadual

Com informações de Marcela Balbino, repórter do Blog de Jamildo.

Como lembrou o Blog de Jamildo há quatro dias, a presidente Dilma Rousseff (PT) aproveitou a visita à fábrica do grupo Fiat, em Goiana, na Zona da Mata de Pernambuco, para falar sobre a realização das obras do Arco Metropolitano, que irá ligar a cidade ao Porto de Suape, na Grande Recife. O arco viário é uma obra prioritária para garantir infraestrutura ao desenvolvimento entre os litorais Norte e Sul, em função dos empreendimentos estruturadores tanto nos municípios do entorno de Suape quanto de Goiana. A obra vai permitir escoar a produção da fábrica da Jeep (controlada pela Fiat Chrysler), por exemplo.

“Estamos apenas aguardando a liberação do órgão ambiental local”, justificou Dilma sobre a licitação ainda não lançada. O projeto deve ser licitado em duas partes porque existem questionamentos quanto ao fato do trajeto passar no meio da Área de Proteção Ambiental (APA) Aldeia-Beberibe, em Camaragibe, cidade do Grande Recife.

A obra deve custar cerca de R$ 1,2 bilhão. O Arco é apontado como “obra prioritária de competência federal” pelo grupo Fiat.
Inicialmente, o projeto do Governo do Estado era fazer a obra como uma Parceira Público-Privada (PPP), mas o governo federal decidiu assumir e fazer através do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

“Nós não financiamos pedágio de forma alguma porque quem perde são as pessoas”, disse a presidente.

Dilma esteve na fábrica do grupo Fiat acompanhada do ex-presidenite Lula (PT) e visitou as áreas de Produção e Tecnologia.

O empreendimento, iniciado em 2010, deve ser concluído no primeiro trimestre de 2015 e gerar cerca de oito mil empregos diretos. O investimento é de R$ 7 bilhões.

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados expressam a opinião
dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Blog do Anderson Pereira.

 
-
-
Todos os direitos reservados à Anderson Pereira. Obtenha prévia autorização para republicação.
-